Silvano Caniati

Direção artística

Formado em dança clássica, jazz, contemporâneo e flamenco pela escola “Ariadne – Arabesque” em Torino (Itália), dirigida por Jusa Sabatini, Silvano chega ao Brasil nos anos 80 e inicia seu percurso com Ricardo Ordonez, Lúcia Millás, Renata Bertolotti. Ele  integra a “Royal Academy of Dancing”, em dança clássica e “Ballet Stagium”, dirigido por Marika Gidali e Décio Otero e dança como solista em várias companhias entre as quais “Grupo Andara”, “Ballet da Cidade de São Paulo” e “Grupo Estrutura”.

Em 1983, inaugura a escola “Oficina de Dança”, ganhando 14 prêmios como coreógrafo – entre os quais Festival Sesc-Mobil, Encontro Nacional Enda e  Festival de Joinville.

De 1991 a 1993, dirige o “ Teatro Municipal de Santos” e funda a companhia “Corpo Estável de Dança”, produzindo e dirigindo: “Da vida e da imortalidade”,  biografia de Van Gogh e "Mulheres manchadas de sombras”, inspirada na ópera de Garcia Lorca.

Em 1995, na Itália integra o “Balletto Italia”, a “Compagnia di Loredana Furno” e “Il Gabbiano”. Participa de produções de óperas líricas como bailarino, mímico, coreógrafo e assistente de produção, sob a direção de Liliana Cavani, Hugo de Ana, Pier’Alli, Alberto Fassini e Andrei Konchalovsky.

Atualmente, professor de tango argentino participou de “Tango Rubio” (Pisa), “Notti di Tango”, “Il Laboratorio della Danza” (Anita Cedroni), “Tiempo de Tango” (Beatrice Bonino), “In Punta di Note” (FabricaDanza) e do espectáculo de abertura da Copa do Mundo de esgrima feminino de 2013.

Montou em 2017, com suas duas filhas, o projeto ARTEALMA, levando para Santos, a primeira edição, "Despertar", em abril de 2018.